Francisco J. Varela, Evan Thompson, Eleanor Rosch: A mente corporificada (2017, Edição Revisada)

The Embodied Mind: Cognitive Science and Human Experience (Revised Edition) Book Cover The Embodied Mind: Cognitive Science and Human Experience (Revised Edition)
Francisco J. Varela, Evan Thompson and Eleanor Rosch. Foreword by Jon Kabat-Zinn
MIT Press
2017
Paperback $30.00
392

Reviewed by:  Adrian Spremberg (State University of Campinas-Brazil, Psychiatry Department/University of Heidelberg-Germany, Clinic for Psychosocial Medicine, Section Phenomenology)

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

A envolvente obra de Varela et al. (1) que aqui será resenhada é um marco no pensamento interdisciplinar entre filosofia (principalmente fenomenologia) e as diversas ciências da cognição. O livro The Embodied Mind, ou ‘’A Mente Corporificada’’ foi originalmente lançado pela ‘’MIT Press’’ em 1991, quando alcançou considerável interesse de leitores das mais diversas áreas do conhecimento. Desde ali, a obra se tornou leitura essencial a leigos e estudiosos da filosofia, ciências da cognição, antropologia, etc. Os autores desenvolvem, em seu livro, uma crítica tenaz ao modelo cognitivista ‘’representacionista’’ e computacional das ciências cognitivas, que se encontrava em voga na época e, em diversas instituições de pesquisa, ainda hoje. O argumento principal delineado pelos autores é o de que para que haja um modelo integrativo de ciência, é preciso considerar aspectos „em primeira pessoa”, ou experiencias, de maneira que estes também possam ser incluídos em estudos empíricos tais como desenvolvidos pelas ditas ciências naturais. Ou seja, cientistas, assim como biológos ou médicos, por exemplo, não devem apenas focar nos fatores biológicos e ‘concretos’ de suas respectivas investiagações, mas incorporar estes no ambiente em que se encontram, e na constante intrerrelação entre sujeito, corpo (organismo), e mundo. Para tanto, Varela et al. argumentam que a ciência cognitiva (e porquê não as restantes, também?), precisariam ser entendidas a partir de um movimento circular entre fenômenos e processos experienciais, aspectos biológicos (organismo como um todo) e ambiente (mundo).

Para os autores, a mente e seus processos não poderiam simplesmente serem entendidos como estando ‘’imbuídos’’ no cérebro e em seus processos neurofisiológicos. Não, o sujeito entende e vai de encontro com a realidade por meio de um corpo vivido também, um corpo ‘’experiencial’’. Para que tal fato possa ocorrer, é preciso que exista uma interação sistêmica bastante complexa entre mente, corpo, e mundo: uma regulação organísmica ‘’autopoiética’’ e autônoma, que confere significação ao sujeito em imediato contato com o mundo. Ou seja, processos cognitivos como ações, comportamentos, percepções, e outros, se dão em uma interação significativa e e-nativa entre sujeito e mundo. Portanto, o sujeito se auto-regula de maneira a significar o mundo e o contexto no qual se encontra. Em ‘’A mente corporificada’’, os autores também acrescentam aos seus argumentos a necessidade de incluir, para que possa haver um entendimento ainda mais mais aprofundado e heurístico sobre a ciência da cognição como inseparável de sua base humana, alguns aspectos da filosofia oriental (budista). Os autores focam principalmente no conceito de ‘’mindfulness’’, que resumidamente corresponde a um estado de profundo autoconhecimento da consciência, no qual o sujeito alcança um estado de consicência ‘’pura’’ acerca de si e seus estados mentais.

Trata-se aqui, certamente, de uma obra brilhante, que deverá continuar rendendo novos frutos aos interessados em pesquisas interdisciplinares. É importante também ressaltar que o livro foi escrito, assim dizem seus autores, de maneira a não ‘’encaixar-se’’ em nenhuma disciplina do conhecimento em particular: ‘’A Mente Corporificada’’, deverá ser tomado como uma obra a ser lida de fato interdisciplinarmente, e o leitor deve ter em mente que é exatamente isto que a destaca dentre tantas outras escritas na grande área das ciências cognitivas. Para os autores, é preciso entender a ciência cognitiva através de uma perspectiva mais abrangente, de acordo com a qual a expêriencia humana estaria constantemente relacionada a processos cognitivos (mentais e corporais). Para tal, o conhecimento humano deve concernir todos os sistemas cognitivos mentais intrínsecos e invariáveis que nos fazem humanos, a partir da junção de processos sensíveis (experienciais) com processos cognitivos e comportamentais, os quais se dão a partir da interação do corpo tanto físico, quanto “vivido” com o mundo. Assim sendo, esta resenha será dividida em duas partes: (1) primeiro, esboçarei brevemente, em sequência, alguns dos temas e argumentos apresentado pelos autores nesta obra. (2) por fim, abordarei alguns aspectos do novo prefácio que foi escrito especialmente para esta nova edição, expondo desta maneira alguns aspectos críticos com os quais os autores já não concordam mais, nos quais é possível perceber o quão substancialmente o próprio entendimento que dois dos autores (Evan Thompson e Eleanor Rosch) têm de que sua obra se modificou com o passar dos anos, e qual seria o impacto presente- e futuro desta para os pesquisadores e pensadores da ciência cognitiva e interdisciplinar. Após estas considerações, também apresentarei uma pequena observação questionadora de cunho pessoal, sobre a importância dos estudos interdisciplinares entre as ciências da cognição e a saúde mental, especificamente a psiquiatria e psicologia.

No primeiro capítulo da obra, Varela et al. apresentam o arcabouço teórico conceitual a partir do qual eles desenvolverão a crítica a modelos de ciência cognitiva baseadas em modelos computacionais e ‘’representacionistas’’. O principal autor da tradição fenomenológica com o qual os autores dialogam é Maurice Merleau Ponty (2), que, em grande parte de suas obras desenvolve uma fenomenologia da corporeidade e da percepção ancorada na ideia de que mente e corpo se encontram intrinsecamente relacionados, de maneira direta. Ou seja, o sujeito percebe e se engaja com a realidade por meio de uma intencionalidade direta que acontece tanto por meio de processos mentais, quanto também corporais. Para que esta dialética relacional e intencional possa ocorrer, certo processos corporais, como a ação, ocorrem de maneira situacional: por exemplo, o sujeito tem consciência de um copo de água e movimenta seu braço para pegá-lo e, por fim, tomar a água. Torna-se então possível dizer que o braço estendido faz parte de um campo significativo: a percepção do copo de água, em conjunto com a sede (desejo fisiológico), e ação, fizeram com que o sujeito percebesse e agisse no mundo de maneira significativa. A percepção ”corporal” que o sujeito teve com o mundo então não ocorreu somente por meio de um ato visual perceptivo, mas o próprio corpo também se engajou, ao mesmo tempo e naquele instante, em um processo significatório, que levou então o sujeito a uma ação. Portanto, a cognição humana não se encontra fundamentada em uma ontologia cartesiana que separa pensamento de corpo, mas em um sistema circular enativo: mente, organismo, e corpo se encontram intrinsecamente inter-relacionados.

Portanto, pode-se dizer que nesta obra, mundo (realidade) e sujeito são constituídos e se constituem por meio de uma constante atividade experiencial vivida: a cognição como um sistema se dá por meio de uma relação direta que o sujeito tem com o ambiente. Para tanto, processos mentais ocorrem, de fato, em ação conjunta com o corpo e o organismo ( sistema neurológico, por exemplo). Assim sendo, os processos cognitivos não devem ser entendidos como sendo puramente fisiológicos ou fundamentados na ideia de que processos mentais podem ser co-relacionados a processamentos computacionais, nos qual a informação perceptual, por exemplo, é recebido como ”input”, processada pelo cérebro, e então representada para o sujeito. Não, os processos são, de fato, enativos; ou seja, eles ocorre sempre tanto internamente (constituição do self autônomo), quanto externamente, por meio de ações emergentes que então ”regulam” e situam significado sobre objetos, outras pessoas, etc.

Um aspecto interessante que os autores sobre o qual os autores também discorrem é a questão relativa a ”Análise Experimentativa e Experiencial” (Experimentation and Experiential Analysis). Para Varela et al., o ‘experimentar’ é frequentemente relacionado à uma ciência paradigmática que se baseia em fundamentos e asserções empíricas clássicas. O budismo, por outro lado, pode ser entendido como uma ciência que investiga fenômenos (especialmente aqueles relativos a estudos em primeira pessoa), por meio de ”mindfulness”, ou um acesso experiencial à consciência e ao mundo subjetivo. Portanto, para os autores, os diversos processos cognitivos sempre se dão em conjunto com o mundo e a subjetividade:

”particularmente impressionante para nós é a convergência que nós descobrimos em meio a temas centrais da doutrina budista, fenomenologia e ciência da cognição-temas relacionados ao self e à relação entre sujeito e objeto”(3).

Os autores continuam analisando e criticando, nos subsequentes capítulos, o viés filosófico-científico cognitivista clássico. A ciência cognitiva dita clássica se iniciou com pesquisas feitas, principalmente, nas áreas da robótica e cibernética. Consequentemente, um dos argumentos fundamentais do cognitivismo clássico é que a inteligência, entre outros fundamentais processos cognitivos, poderia ser basicamente entendida como ocorrendo por meio de computações de representações.

Brooks (7), por exemplo, desenvolveu um primeiro importante passo utilizando sistemas cognitivos ‘’simples’’: ele desenvolveu robôs com sistemas funcionais capazes de ‘’entenderem’’, por meio de processos computacionais, certos aspectos relacionados ao mundo.Portanto, poderia-se dizer que os primeiros sistemas complexos auto-organizadores foram pensados a partir de estruturas que funcionavam, de fato, como um computador. Os robôs eram capazes de elaborarem comportamentos simples que condiziam com estímulos ambientas que eles recebiam. Estes simplesmente processavam informações que recebiam de seu ambiente, por meio de processamentos computacionais; desta maneira, eles já interagiam com o mundo, por meio de comportamentos simples de contato e comunicação, ‘’reconhecendo’’ portanto que tipo de comportamento simples produzir.

Os robôs de Brooks foram um primeiro importante passo rumo a uma ciência da cognição que incorporava processos ‘’mentais’’ e informacionais ao ambiente, que fornecia aos robôs a possibilidade de agir, por exemplo. A partir daí, alguns aurores começariam a explorar a ideia de que a cognição (humana) se dá à partir de um contato direto com o ambiente. Em vista disso, foram desenvolvidas novas perspectivas que tentariam ir além de componentes computacionais que pudessem dar ao sujeito as capacidades de entender e agir em seu ambiente.

Esta hipótese tradicional é obviamente incompleta, por motivos bastante claros: de que maneira estes inputs computacionais podem explicar aspectos referentes à subjetividade, consciência, e fenômenos relacionados? Ou seja, de que maneira um modelo computacional poderia instanciar, por assim dizer, aspectos fenomenais? Para uma grande variedade de pesquisadores em ciência da cognição clássica (4), é preciso que o sujeito represente o mundo, de certa maneira, em sua ‘’mente’’ (no cérebro), por meios de processos ligados à funcionamentos neurofisológicos, para que seja então possível significá-lo. Assim sendo, o sujeito encontra-se assim ‘’conectado’’ com a sua realidade por meio de processos mecanicistas, fundamentado em uma ontologia ainda cartesiana e materialista: mente, corpo e mundo não interagem, realmente, entre si. A representação da realidade é dada ao sujeito por meio de intermediações processuais computacionais: o sujeito tem certas sensações físicas, por exemplo, que são processadas pelo cérebro, que então constrói uma representação interna relacionada à sensação, percepção, ou qualquer outro processo, seja este mental ou corporal, por assim dizer.

Se houver então consciência, ainda assim, esta seria instanciada pelo cérebro, por meio de processos puramente neurofisiológicos, e a experiência seria apenas um epifenômeno. Para os cognitivistas tradicionais, para que tanto processos mentais como corporais possam acontecer, é necessário que o cérebro do sujeito tenha alguma ‘’capacidade’’ de conceber o mundo por meio de processos neuronal-representacionistas que o levem a inter-agir com o ambiente. De que maneira seria então possível correlacionar estados intencionais (experienciais) com processos neurofisiológicos que poderiam levar a alguma ação ou percepção?

Porém, Varela et al., durante todo o percurso de ‘’A Mente Corporificada’’, nos lembram que é de suma importância concebermos que a cognição se faz por meio de uma relação intencional, tanto experiencial quanto organísmica, que o sujeito entretém com o mundo. O próprio organismo intra-celular mantém uma variedade de processos, uma regulação contínua que leva o sujeito a agir, sentir, pensar, etc. Portanto, tanto processos mentais quanto corporais ocorrem, intrinsecamente, por meio da tríade entre sujeito-corpo/organismo-mundo.
Sendo assim, para os autores, a cognição se dá em contato direto com o mundo por nós experiencialmente e corporalmente articulado.

Entre outros autores importantes que destacam o papel da relação primordial entre a percepção visual e a articulação com processos regulatórios sensos motores são O’Regan e Noë (6), por exemplo. Para os autores, a articulação intencional e consciente entre sujeito e mundo não ocorre somente por meio da percepção visual, mas também por meio de certos posicionamentos e ações corporais pelos quais este percorre e ”explora” seu ambiente. Consequentemente, o corpo (tanto físico quanto vivido) é, de fato, componente intrínseco desta autorregulação organísmica que dá ao sujeito alguma experiência sobre si- mesmo, significando também o mundo através do dispositivo ”sense-making” (trad. livre: processo significativo), como diz Thompson (5). O processo de Sense-making se refere a capacidade que o sistema autorregulatório tem de, por meio dos mais variados processos cognitivos e mentais, significar o mundo para o sujeito. O sujeito dá sentido ao seu mundo por meio de ações e percepções incorporadas; que se tornam implícitas a partir do momento no qual o sistema enativo se relaciona com o mundo e o contexto em que este se encontra. Ou seja, o sujeito encontra-se sempre situado cognitivo-corporalmente em um certo contexto vivido, que pode então ser significado experiencialmente.

O self, para os autores, deve aqui ser entendido como uma estrutura móvel e experiencialmente acessível ao sujeito; não por meio de ”introspecção”, como diriam autores que, novamente, reduziriam alguma capacidade de uma possível sensação sobre ”si mesmo” a estados puramente mentais e internos. O self se dá, ele ”acontece” durante a interação que o sujeito tem com o seu mundo, tanto por intermédio de processos mentais como percepções, o imaginário, etc., tanto como processos corporais e fisiológicos como ações, movimentos corporais, entre outros. Varela et al. (3) fazem, neste ponto do livro, uma interessante relação com algumas tradições budistas que tomam o self como estrutura que não é permeada por experiencial alguma ‘’sobre si’’. O termo para este estado, em inglês, é chamado de selflessness. Ou seja, a mente estaria esvaziada de qualquer conteúdo experiencial, estado afetivo, etc. Portanto, o self deverá, penso, ser entendido de fato como um ”algo” maleável e em constante transformação, e não como estrutura fixamente localizável no cérebro, por exemplo.

Aqui, os autores de ”A mente corporificada” continuam desenvolvendo um framework holístico em relação a uma ciência cognitiva que leva em conta os diversos fatores experienciais que também engendram a visão enativista que é proposta na obra. Sendo assim, o self é também composto por uma variedade de fatores ”disposicionais” que constituem a maneira pela qual o sujeito entende seu mundo: a cognição, por exemplo, ocorre aqui em um processo auto-regulatório e ”significador”, é necessário que o self também seja entendido como uma unidade intimamente pertencente ao organismo, sendo constituída por afeto, percepção, corporeidade, impulso, etc. Ou seja, o self não é uma estrutura mental, por assim dizer, mas um processo relacional com o mundo e outros que também inclui, em diferentes níveis de funcionamento, disposições e atividades cognitivas, mentais, biológicas, etc.

Evan Thompson e Eleanor Rosh, em seu novo prefácio escrito especialmente para esta edição revisada, fazem uma série de críticas conceituais com as quais eles dizem não estarem mais satisfeitos, anos após a publicação da primeira edição (1). Isto se dá, também, a meu ver, com os avanços técnico-empiricos das ciências médicas. A psiquiatria contemporânea, por exemplo, conta com instrumentos diagnósticos que têm o poder de localizar mudanças neurofisiológicas mínimas, recorrentes em alguma localização bastante específica do cérebro. Portanto, a neuroimagem certamente se tornou ”parceira” indispensável para pesquisadores na área de neuropsiquiatria. Ainda assim, imagino que Varela et al. nos mantêm constantemente em alerta sobre a importância da pesquisa ”naturalista-biológica” ser feita em conjunto com as ciências humanas. Por conseguinte, enquanto a medicina avança com importantes achadas neurobiológicos, a subjetividade e o significado da existência humana precisarão também ter o seu espaço em uma interação de fatores que muitas vezes é mais complexa do que aquela que uma visão puramente naturalista nos dá.

Esta nova edição da obra de Varela et al. (3) proporciona ao leitor uma perspectiva ampla e bastante inovadora em sua proposta de esmiuçar uma ciência cognitiva que integra uma grande diversidade de outras concepções e visões de mundo tanto científicas (de cunho empírico e teórico) quanto práticas. Por exemplo, se inserido (o que já têm sido feito por alguns) no contexto das ciências da saúde, mais especificamente mental, que vantagens a proposta enativista poderia vir a trazer à psicopatologia, às diversas abordagens psicoterápicas, etc.? Quais seriam as vantagens que esta proposta poderia vir a trazer nas atuais e relevantes discussões interdisciplinares entre as ciências humanas, médicas e biológicas? A leitura desta obra, assim espero, abrirá horizontes de expansão intelectual para seus leitores, que certamente se enriquecerão com uma proposta tão atual e heurística acerca de tudo que nos faz humanos. Vejo como absolutamente necessário que os pesquisadores, estejam estes desenvolvendo os seus trabalhos nas mais diversas áreas do conhecimento, partam do princípio de que é sim necessário pensar e praticar ‘’além’’ da própria disciplina, indo assim ao encontro do que é feito e pensado em outras áreas. É claro que não será nunca possível dedicar-se unicamente ao estudo de uma grande diversidade de autores, áreas do conhecimento, etc. Mas as colaborações interdisciplinares se fazem importantes, já que é desta maneira que pesquisadores poderão construir ”pontes de conhecimento”. Varela et al. certamente se empenharam neste quesito, mostrando o quão frutífera a pesquisa multidisciplinar pode ser.

Por fim, ainda vale expor um breve parágrafo sobre as introduções reescritas por Evan Thompson e Eleanor Rosch ainda se faz necessário. Os autores retomam alguns aspectos do momento em que a obra foi originalmente publicada, acessando criticamente alguns dos pontos temáticos que, com o passar dos anos, se modificaram com relação aos pontos de vista e argumentos da maneira pela qual estes foram inicialmente apresentados. Infelizmente não será possível aqui analisar todos os pontos apresentados pelos autores, mas vale a pensa considerar, por exemplo, a importância que todo o framework enativo desfruta, hoje em dia. A filosofia ”incorporificada” se tornou aliada importante das ciências naturais, configurando assim novas bases empírico-teóricas para a apreciação dos mais diversos fenômenos subjetivos, cognitivos e inter-relacionais humanos. Já existem, além da perspectiva enativista, outras versões dos chamados ”e-approaches” à mente, que cada vez mais se estabelecem como contraponto às divisões demasiado dualistas das ciências, em geral.

Porém, é óbvio que entre estas perspectivas também há divergências teóricas bastante significativas: algumas ainda se apoiam em uma ontologia dualista, outros propõem modelos internalistas ou externalistas no que diz respeito a eventos e conteúdos mentais e perceptuais, etc. De qualquer maneira, a fenomenologia atual também se encontra muito mais avançada em sua investigação rigorosa das estruturas experienciais, desta maneira se destacando como importante aliada, principalmente, do movimento enativista. Para Rosch, e eu apoio completamente esta linha de argumentação crítica, a grande pergunta, de agora em diante, seria*, dentre muitas outras: o que mais temos a aprender, no que diz respeito as ciências naturais e ao método investigativo da primeira pessoa, ou subjetivo?

O enativismo, como proposta filosófico-empírica de investigação das estruturas processuais cognitivas e experienciais deverá, a meu ver, tentar adequar-se a entendimentos científicos materialistas e/ou reducionistas, para que seja possível encontrar assim caminhos investigativos que possam ser feitos em parceria. Certamente será muito importante que os pesquisadores se mantenham atentos a estes questionamentos, para que não haja exageros de ambos os lados: a ciência natural precisa cuidar para que ela não se aprisione em enquadramentos demasiado reducionistas, e o enativismo, com a sua investigação de sistemas autônomos experienciais e cognitivos complexos, deve manter-se aberto para a eventual e cuidadosa integração de aspectos que vão além de seu escopo investigativo.

Literatura:

Brooks, R. (2002). Flesh and Machine: How Robots Will Change Us. New York: Pantheon.

Merleau-Ponty, M. (1962). The Phenomenology of Perception. London, UK: Routledge & Kegan Paul.

O’Regan, J. K., Noë, A. (2001a). A sensorimotor account of visual consciousness. Behavioral and Brain Sciences, 24, 939 –973. doi: 10.1017/S0140525X010007.

Thagard, P., “Cognitive Science”, The Stanford Encyclopedia of Philosophy (Fall 2014 Edition), Edward N. Zalta (ed.), URL .

Thompson, E. (2007). Mind in Life: Biology, Phenomenology and the Sciences of Mind (1st ed.). Cambridge, MA: Harvard University Press. MIT Press.

Varela, F. J., Thompson, E., Rosch, E. (1991). The embodied mind: Cognitive Science and Human Experience (6th ed.). Cambridge, MA.

Varela, F. J., Thompson, E., Rosch, E. (2017). The Embodied Mind: Cognitive Science and Human Experience. Cambridge, MA.

 

Leave a Reply